19/01/09

instintos assassinos

Não sou nada apologista de que a galinha da vizinha é sempre melhor que a minha. Não tenho galinheiro, mas se tivesse, com toda a certeza as galinhas teriam sido por mim escolhidas, bem como a ração que lhes fosse servida, a água e tudo o mais. Portanto, no mínimo, eu conheceria muito melhor as minhas galinhas do que as da vizinha. Ocorre-me pensar “sei lá eu que cuidados dispensará a vizinha às suas galinhas?” Decididamente, estou certa que iria preferir a minha galinha.

Não sou extremamente patriota. Mas tenho algum orgulho naquilo que sou e que com toda a certeza, terá um forte contributo do país que me criou e educou. Além disso, este é um país à beira-mar plantado, o que já por si constitui uma enorme originalidade, ainda que eu desconheça que semente utilizou o agricultor. Certo é, que a semente alguma qualidade havia de ter já que, devagar ou não, o dito país vai crescendo, mesmo que nem sempre naquilo que seria desejável.

Mas daí a termos uma palavra que poucos países têm e os restantes nem conseguem traduzir, acho que é demais. Quando essa palavra é repetida vezes sem conta em fados e poemas, o caso torna-se preocupante. Principalmente, quando a palavra traduz um sentimento que, na verdade, ninguém sabe para que serve e só complica a nossa tranquilidade. Irrita-me! E eu, que nem tenho instintos assassinos, deparo-me com uma vontade alucinante de a chacinar!


Portanto, vê lá se te despachas, porque sozinha não consigo matar esta saudade.


46 comentários:

António Sabão disse...

Saudade mata! :(
Beijinhos

Soraia disse...

"Se tudo na vida tem seu preço
Quanto vale matar uma grande saudade
Sem prazo de validade...
Sem meio, fim, nem começo?"

PreDatado disse...

Um comentário em três partes:
- Espero que a minha galinha hoje saia, se não melhor, pelo menos igual à da minha vizinha. É que estou ali ao lado a cozinhar uma cabidela que cheira tão bem...
- Então não teve alguma qualidade a semente? Olha pra euzinho, hein? Não sou de boa colheita? :)
- Sometimes I miss someone, also. Take care.

DANTE disse...

Saudades são uma seca mesmo. Porque raios não podemos ter sempre perto as coisas que queremos ?

Jokas :)

Salto-Alto disse...

É sempre factos de orgulho ver uma mulher que diz que "Não sou nada apologista de que a galinha da vizinha é sempre melhor que a minha." Ainda há quem salve as mulheres da fama de "invejosas". És uma das minhas! :)

Quanto ao resto do texto, está como o costume, muito bom! :)

Quanto à saudade... Custa e demora a passar... Mas quando se começa a a matá-la é tão bom! :)

Beijinhos!

osbandalhos disse...

"Saudade é arrumar o quarto dum filho que já morreu" Chico Buarque

Paulo disse...

Está tudo bem! Há-de estar quase a voltar! Esquece o comentário anterior!
Beijos

Teté disse...

Se "matas" a saudade, só vais complicar a vida dos poetas que passarão a escrever "sinto muito a tua falta". Portanto, como palavra, só serve para simplificar o léxico português.

Como sentimento, universal, é um pouco deprimente, mas quanto se "mata" essa saudade sabe TÃÃÃÃÃOO BEM! Espero que essa consigas "matar" depressa!

Quanto à galinha, e também não tendo galinheiro, concordo em absoluto que ia gostar sempre mais da minha! :)))

Beijocas

Marquês de Sade disse...

A saudade demora a passar... mas passa!

Bjinho

OnlyMe disse...

A saudade é um sentimento bem difícil de matar quando sabemos que é sentida por alguém que se perdeu e não volta mais...
Agora se apenas significa uma espera, torna mais intenso o reencontro!
Jinhos :)

vício disse...

só falta calçar os sapatos!

rascunhos disse...

Muito "giro" este teu post. Gostei !

Por mim podes avançar e dar cabo dela!

Cpts

Sam disse...

Pessoalmente acho que essa cêna da "saudade" ser a única palavra blá blá blá do mundo é uma grande trêta. Mas ok.
há sempre forma de combater a saudade:
- Tenho saudade de uma sandoca de coiratos, como de presunto.
-Tenho saudades de uma namorada, bato uma.
-tenho saudades de viajar, vou dar uma volta.
Ali o marquês tarado é que sabe : ela passa.

beijinho saudadoso!

mfc disse...

A Cesárea Évora já patenteou a tradução.... sôdáde!

Nanny disse...

eheheh

És mesmo galinha, pá!!!!!!!!!!!


Beijooooooooos

Atlantys disse...

A saudade mata mas também se mata... acho que nunca tinha lido sobre a saudade com tão bom humor ;-)***

escarlate.due disse...

prefiro ser eu a matá-la, António :) (e esse parentesi fica muito melhor ao contrário)
beijinhos

escarlate.due disse...

não sei Soraia, só sei que hoje mato a minha finalmente :D

escarlate.due disse...

resposta em três partes PreDatado:
- para sangue já chega o que às vezes me dão, dispenso a cabidela
- és tu e sou eu! :P
- I do :)

escarlate.due disse...

e que seca, Dante!!
porque às vezes as "coisas" crescem e têm de seguir as suas escolhas :)
jokas

escarlate.due disse...

quando já vem do ano passado, Saltinho, xxxxiiii custa pra caramba e sabe mesmo bemmmmmm matá-la :)
beijinhos

escarlate.due disse...

também, Bandalhos, felizmente eu não sou Chico Buarque!

escarlate.due disse...

quando é que metes nessa tua cabeça dura que não sou de porcelana, Paulo?! :P
chegou :D e vê o mail, sff, que preciso troca! :)
beijos

escarlate.due disse...

ok Teté, eu não mato a deles :)
consigo sim :)
beijocas

escarlate.due disse...

pois passa, Marquês :)
bjinho

escarlate.due disse...

neste caso felizmente, tem voltado sempre, Onlyme :)
jinhos :)

escarlate.due disse...

é mais botas, Vicio
:P

escarlate.due disse...

já avancei, Rascunhos :)
cpts

escarlate.due disse...

há outras, Sam, como por ex:
-tenho saudades dos teus disparates: leio o teu blog
- tenho saudades das tuas asneiras: leio o teu blog
- tenho saudades da tua palermice: nem preciso ir ler o teu blog, basta ler os teus comentários
:P
beijinho vivo

escarlate.due disse...

aaahhhh MFC, mas não tem o mesmo brilho de saudade
:)

escarlate.due disse...

pois sou, Nanny! mas fazer o quê?! :)
beijooooooooooossss

escarlate.due disse...

se quando a saudade aperta não a banhamos com um pouco de humor, Atlantys, banha-nos ela com dor a mais
;)***

Miriamdomar disse...

Modera essa vontade!
Era mesmo uma chacina!
Matar a saudade, só porque ela te azucrina!
É sinal que estás vivinha!;)

Sandra disse...

realmente somos um povo especial em muita coisa, ao ponto de termos uma palavra só nossa. uma palavra para explicar um sentimento que todos os povos têm e que apenas nós conseguimos explicar por palavras...

Sophia disse...

Saudade... espero já esteja morta! ;)

Gostei da parte da galinhas!

Baci

Jedi Master Atomic disse...

Já a minha profa. do 9º ano também dizia isso, que a saudade não tem tradução em mais nenhuma lingua. Serás ela ???? LOOOOOL

Nilson Barcelli disse...

A semente tem 36% de genes judeus, mais 36% de genes muçulmanos (ou mouros) e o resto é de vários (Celtas, visigodos, etc.).
No fundo, não somos daqui. Somos a mistura de invasores e colonizadores...
Mas julgo que a costela mourisca tem uma importância decisiva no sentimento saudade.
Os istambulenses, segundo um livro que estou a ler, têm um problema parecido. A palavra também não é traduzível, mas andará perto da nostalgia.
Ou seja, o problema é sanguíneo. A única maneira de acabar com isto será uma transfusão total e colectiva.
Beijo.

heretico disse...

boa pontaria... pum!

beijo

escarlate.due disse...

ah pois tou, Miriam!!! :D

escarlate.due disse...

"quase" só nossa, Sandra, que pelo menos os espanhois também a têm :)

escarlate.due disse...

mortissima, Sophia, até à próxima :)
baci

escarlate.due disse...

Definitivamente não sou, Jedi! Prof de português? nãããã não sou eu!

escarlate.due disse...

tanto gene, Nilson? transfusão? dispenso!!!
beijo

escarlate.due disse...

em cheio, Heretico :)

bjecas disse...

Esta vida de marinheiro lálálálá...

Jinhos pá

escarlate.due disse...

pois é...
:)
beijinhos pá (ou vassoura)