27/06/09

a duas rodas

Esperara 18 longos anos de vida para a receber e ali estava ela, reluzentemente preta com a risca roxa, a cheirar a nova, invejada por quantos a miravam naquele dia festivo. Ao final da tarde deixou o lar paterno para regressar à cidade estudantil que a acolhia. Conhecia a estrada como a palma da mão, cada sinalização, cada curva e cruzamento, cada árvore circundante. Só não conhecia aquele camião TIR que não parou no stop e se lhe atravessou na frente como quem se impõe ao destino. Sentiu-a bater e tombar, sentiu-se resvalar no asfalto, no meio de um ruído desconhecido e depois quedar-se sobre um chão negro, duro e quente, uma dor aguda que lhe percorria a perna até à anca e uma voz grossa, num corpo latagão de expressão incrédula “você não pode estar viva!...” “o caraças é que não posso, estupor!!!”

Acordou ao som da sirene com um rapazito de cara de anjo a seu lado… "está tudo bem" Sabia que não era conveniente discutir o sexo dos anjos, decidiu também não discutir a veracidade das suas palavras, ainda que pensasse "bem? só se for a tua porque a minha doi p'ra caramba"


...


“Nem penses!!! Desde que passei entre as rodas da frente e de trás de um camião TIR, nunca mais me aproximei de uma!”

“Não sejas parva! Já passaram umas décadas!”

O corpo tremia-lhe, o vento batia-lhe na cara, fechou os olhos para as lentes não secarem, enlaçou-o pela cintura, a mão dele acariciou a sua num voto de confiança, colou-lhe a cara às costas com o cabelo a esvoaçar, o corpo foi repuxado pela primeira curva da serra e depois… só sentiu a liberdade, aquela sensação louca de ser dona do mundo, de esmagar os medos, de poder ir sempre mais além do que o destino a queria condenar…



obrigada :)


22 comentários:

António Sabão disse...

Que se passa? A quem aconteceu isso?

Beijinho

Rafeiro Perfumado disse...

E isso só por andar de mota, imagina que ele te convidava para andar de autocarro, era a loucura! ;)

Beijoca!

Teté disse...

Tive de ler duas vezes, pois não entendi à primeira, de início pensei que fosse asa delta ou assim... :)

Depois de um acidente, suponho que é normal ter medos ou receios que anteriormente não existiam, com a certeza que "não acontece só aos outros"!

Mas também é tão bom superá-los...

Beijocas!

Paulo disse...

Vês não custou nada ;)
Vai outra voltinha?

Nanny disse...

Da próxima vai de asa delta... vais ver o que é liberdade :D

Beijinhoooooos

p.s. - a praia hoje está boa? :P

Olhos Dourados disse...

Aconteceu-te a ti?

vício disse...

e quantas vezes mais o obrigaste a repetir essa volta?

podes sentir-te vaidosa porque pouca gente já viu um camião por baixo...

Nuno disse...

Eu disse-lhe que ía gostar, é só uma questão de confiança. Em mim, é claro! ;)

bjecas disse...

À pendura só amarrado e bem anestesiado...

Jocas miúda

\m/

João disse...

Os camiões TIR não são amigos...

antónio paiva disse...

...

é por estas e por outras que me passo!

eu nem ao café te consigo levar, há quem te leve de mota e tudo.

o mundo é tão injusto e as pessoas também, especialmente comigo.

humpfffffff

:p:p:p:p

beijoca miúda!

tu foste concebida para vencer todos os medos e destinos, sobretudo aqueles que o pretenso destino te quer impor.

:)))

Gasolina disse...

Lembranças e vitórias.

Boa.


Tás aí prás curvas!

Pulha Garcia disse...

"A vida tem mais imaginação que nós" Schopenhauer

Ainda bem que estás bem.

francis disse...

como te compreendo.

heretico disse...

que horror.de arrepiar... de medo!

beijo

eu disse...

As duas rodas às vezes deixam-nos muito expostos aos acidentes...
Não é? Mas a sensação de liberdade é igualmente arrebatadora.
Beijinhos

Vanda Paz disse...

Deixo-te um abraço grande

Bom fim de semana

Å®t Øf £övë disse...

Escarlate,
Não há nada como irmos de encontro aos nossos fantasmas, porque só assim os podemos derrubar e eliminar de vez.
Beijinhos.

Desambientado disse...

Nomeei-a para o Blo d'ouro.

Dias disse...

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Bendito o tempo que hoje me permitiu ler-te porque hoje aqui li Arte
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Miuda, ainda bem que voltaste à sela, o irresistivel Call of the wild :)

Quanto aos verbos, os do antes e os do agora, adorei-os "como quem se impõe ao destino"
Parabéns

Claro que existe o factor "identificação", so nunca caiu quem nunca andou, e quem nunca andou não respeita quem anda em duas rodas porque quem anda em duas rodas tambem não respeita as quatro...

Muito bom Post, sim senhora !!

Beijo

Nilson Barcelli disse...

Qualquer acidente deixa marcas.
Às vezes no corpo, mas sempre na alma... só que o tempo encarrega-se de suavizar essas marcas.
Bom fim de semana.
Beijo.

carpe vitam! disse...

http://provocame.blogspot.com/2007/11/moto.html