02/05/10

... de filho

Sempre achei que ter um filho é um acto de puro egoísmo, já que é por prazer próprio que é concebido em hora de puro prazer, além de que não conheço nenhum que tenha pedido para nascer.

É partindo desta premissa que entendo que toda a responsabilidade por cuidá-lo e ajudá-lo a tornar-se um ser por inteiro, nos cabe enquanto progenitores. Depois sim, o resto é com eles. E o resto… é tanto! É tudo!

Não gosto especialmente de dias comemorativos de algo que, do meu ponto de vista o deve ser durante 365 dias (ok deixo o dia do ano bissexto como dia de folga passiva). Exactamente por este motivo sou sempre tentada a repudiar os parabéns como mãe e reencaminhá-los para aquele que os merece.


Sem dúvida que nos esforçámos por cumprir aquela que assumimos como responsabilidade e de acordo com isso ignoramos os traumas inerentes a uma palmada no rabo, a hiperactividade anexada a falta de respeito, a personalidade forte confundida com falta de educação. Por outro lado, tentamos não te colar aos nossos próprios desejos, frustrações ou projectos, que eram da nossa e não da tua vida e deixámos-te escolher sempre o caminho, consciente que tudo na vida tem consequências. Tropeçaste algumas vezes (inevitável) para que te fosse possível interiorizar isso e fizeste-me perder muitas vezes a paciência, porque mãe que é mãe é uma chata do caraças e filho que é filho serve para atazanar o juízo.

Tornaste-te nessa pessoa confiante e segura que, mesmo que chovam canivetes, acha que vale sempre a pena procurar uma saída porque ainda nada está perdido. Alguém que faz da vida uma aventura deliciosa que te coloca no rosto esse olhar expressivo e um riso contagiante.

É a ti que cabe o mérito de saber usar tudo que te ensinaram, tudo que aprendeste por ti próprio e tudo que és. Por isso, em qualquer dos momentos em que te elogiam, não é orgulho que sinto, mas reconhecimento por transformares o meu acto de puro egoísmo num permanente prazer nos 365 dias do ano em que as tuas vitórias são a minhas vitórias de mãe.



16 comentários:

Maria disse...

Completamente de acordo contigo...
Quando feito de propósito, em dia e hora que não esqueces, é puro egoísmo, mesmo...

Beijoooooooo

lélé disse...

Um texto lindíssimo.

(se disser mais estraga...)

Paulo disse...

Um abraço ao filho e um beijo à mãe que merece, se não merecesses não terias amigos do teu filho a adoptarem-te como mãe, costumam ser os pais a escolher os filhos a adoptar.

Beijos

Sofá Amarelo disse...

Eu prefiro dizer Dia do Filho, porque na verdade não há mãe nem pai sem filho... que se celebre então 365 dias por ano de Dia da Mãe, Dia do Pai e Dia do Filho!

impulsos disse...

Não podia estar mais de acordo com o que aqui escreveste, cara amiga.
E também te gostaria de dizer que me revi na tua prosa.
E sim, o dia da mãe é todos os dias!

Para ti, que gostas de prosas, tomo a liberdade de aqui te deixar um link de um texto de um amigo meu, que li ontem e me deixou emocionada, por lhe sentir cada sentimento impresso em cada palavra.

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=130702

Beijo

CybeRider disse...

Quer dizer então que também fizeste algo de muito importante pelo mundo, Escarlate. Congratulo-me e saúdo-te com grande satisfação!

escarlate.due disse...

e nas outras alturas não é MARIA? hum...

beijooo

escarlate.due disse...

obrigada LÉLÉ

escarlate.due disse...

dá-lhe graxa dá PAULO :)

o abraço foi entregue
beijo para ti tb

escarlate.due disse...

e se descanse no ano bissexto, SOFÁ :)

escarlate.due disse...

vou ver IMPULSOS, obrigada :)

beijooo

escarlate.due disse...

:) espero ter feito sim CYBER, obrigada

Vício disse...

da forma que as coisas andam... ter um filho, para algumas pessoas, é mais um acto de irresponsabilidade que egoismo.

ObrSara disse...

Os filhos são os que os pais ensinam... até.

escarlate.due disse...

também concordo VÍCIO

escarlate.due disse...

e não só OBRSARA, são também o que outros ensinam, o que aprendem por eles próprios, o que decidem fazer com tudo que lhes foi ensinado, and so on