13/08/09

silêncios

Não me peças para falar, não me obrigues a calar. Não me faças morrer no que não quero reviver. Não me atormentes, não me perturbes, não me abanes a tranquilidade. Não me quebres, não me partas, não me abras as fendas coladas. Não me imponhas, não te anules. Não te fundas em mim. Não grites, não repitas, não te embriagues em palavras inúteis. Como ébrio impotente. Basta-te ser, basta-te estar, basto-me assim no silêncio inebriante de quem sente. Em paz. Sem falar nem calar.


11 comentários:

Ana disse...

Por vezes, é tudo o que precisamos... de silêncios, de paz... porque sabemos que uma simples palavra pode reabrir feridas que julgamos saradas.

(digo eu...)

beijinhos

bjecas disse...

Tudo bem até chegares àquela parte embriegada... ainda por cima com o calor que está, já não se pode ter sede, é?!!!

Jocas gaiata

\m/

António Sabão disse...

Vão-se cantar os fados!!!

Beijihooooooo

antónio paiva disse...

...

podias ter-me dito isso tudo pessoalmente.

não era necessário vires publicamente, entre outras coisas, chamar-me ébrio impotente.

humpfff

:p:p

beijoooooooo :))

heretico disse...

quem cala, consente?!...

beijo

Rafeiro Perfumado disse...

Pronto, esquece lá a ideia de te fazeres sócia do SCP... ;)

Beijoca!

PS: agora fiquei com a certeza, "ele" não existe!

Ricardo disse...

Há muita gente que não consegue fazer isso!

Beijo

mfc disse...

E tanto se pode dizer em silêncio...

Teté disse...

Há silêncios que dizem tudo...

Beijocas!

Nanny disse...

Nem sempre resulta... nem sempre é suficiente... nem sempre satisfaz...

Procura sempre mais... ;-)

Beijinhoooooooooooos

Å®t Øf £övë disse...

...mas há sempre quem vá contra aquilo que nós queremos, e que nos faça tudo isso que pedimos para não nos fazerem. Há sempre alguém que nos tira do sério...
Beijinhos.