25/11/08


Já não era ódio nem rancor. Não era desejo nem volúpia.

Era tão- somente, a impotente frustração que lhe comprimia a alma e lhe escoava o corpo, como tela de pintor em dia de tempestade.

Já não pensava, não sofria, não lamentava...apenas se desintegrava em colorida paleta de cor que nem anjo assexuado.

9 comentários:

António Sabão disse...

Gostava de escrever a azul mas só dá preto! :(

cassamia disse...

belas palavras para a bela pintura!
parabéns aos dois :)

escarlate.due disse...

António, a sua escrita é como a sua pintura: qualquer cor fica bem! :)


Cassamia, reconheça que a pintura supera aos pontos a escrita, portanto reencaminho os parabéns para o autor.
Obrigada

Nilson Barcelli disse...

Há quem esteja morto ainda com vida...

Aparentemente são dois os membros do blogue.
Isso devia ser mais explícito... e a ausência de perfil em nada ajuda.

Boa semana.

escarlate.due disse...

Querido Nilson, aqui está tudo vivo! :)

As aparências iludem e a curiosidade matou o gato

O que importa é o que se escreve (e lê) e o que se pinta (e vê) não quem o faz, estou errada?

beijinhos :)

Nilson Barcelli disse...

DUE
É importante saber quem escreve.
A mesma coisa dita por pessoas diferentes tem peso diferente.
É apenas a minha opinião.
Para além disso não gosto de dar beijinhos a homens...
Beijinhos

escarlate.due disse...

NILSON, cuidado com essas afirmações. Olha que uma asneira dita por 1 milhão de pessoas diferentes, não deixa de ser asneira :)
Podes dar beijinhos à vontade que eu retribuo :)

Nilson Barcelli disse...

O vosso blogue não tem asneiras...
Beijinhos.

escarlate.due disse...

Nilson, não precisamos delas para nos afirmarmos. :P
beijinhos :)